Piegas é este seu incômodo

15.1.18


Querendo chamar atenção, quando tudo o que tinha para tal já foi utilizado e mesmo assim não olharam para você? Que pena. E olha que quem está no circo são vocês! É de se lamentar tantos incomodados com a transparência alheia.

Fenômenos curiosos aparecem nesta contemporaneidade capenga. Tempos de filtros e plugins viabilizando sofisticação com alguns toques ou cliques, como queiram.

Nunca este "fino trato" esteve tão majestosamente presente nos círculos sociais, que por sua vez transformam-se em lindas zonas de expectativas do vazio sobre o nada, resultando em coisa alguma. Ou melhor, resulta sim. Resulta em veneno produzido a troco de nada.

Que coisa de maluco é constatar tantos lindos olhares ansiosos, buscando desesperadamente observação de fora para dentro. Tudo isto após um pequeno apelo socorrista para os contornos artificiais das maquiagens definitivas - mero exemplo.

Sofrem por carregar uma sequência de subterfúgios "estruturais" que sejam visivelmente aceitos, nestas perigosas áreas da vaidade doentia, espalhadas por aí.

E se ficasse só aí menos mal. Mas intelectualmente, pintam-se como digníssimos estudiosos na arte de socializar-se com gravuras e fantoches de um certo status. Ao buscar o almejado calor humano, este tal status embrenha-se nas frestas abertas pelo ego e fixa-se melindrosamente, entre caras e bocas. 

Pronto! O circo está armado.

E com a maior cara de pau apontam o dedo para chamar de piegas?

Puxa vida crianças, vão deixar o ambiente definir os seus caminhos assim?

Precisa-se dizer que tudo isto é externo?


Estes limites não precisam existir. Enquanto buscam definições para "bons costumes e comportamentos" codificados pelo mercadológico tempo, encontrei afinidade com um primo mais ou menos distante, o tempo espiritual.

E este por sua vez é assim: cafona para quem olha e preza tanto o supérfluo, o efêmero, o superficial, o externo ou em outras palavras, o que vem de fora sabe?

Vamos combinar o seguinte. Curte aí da sua maneira e no seu tempo, enquanto eu aqui no meu terreiro de cores, cheiros, pele, brilhos íntimos, toques e sorrisos vou transmitindo o que tenho.

Não se incomodem comigo.

Façam de conta que não estou aqui.

Pois não estou nem aí.

Eu simplesmente sou.


Você poderá gostar também

0 comentários

Apoie o blog Unalome

O blog Unalome Fotografia e Evolução é um projeto independente, que busca trazer muito mais do que conteúdo de qualidade e original para seus visitantes, mas um olhar sereno e sério sobre novas formas de interação. Para isso, conta com uma estrutura mantenedora de cada ação presente em suas páginas, que vão da hospedagem até a criação de conteúdo, inclusive da comunicação visual. Se quiser contribuir financeiramente, doe qualquer valor. Ajude a manter o projeto ativo. Obrigado!

Unalome no Google Plus