Invisivelmente Presente - Sinta

18.11.17


Quando bater aquela saudade de alguém muito especial fazendo uma visita sem aviso a desorganizar nossos dias exigindo atenção, não fiquemos em desalento. É só o ritmo das dimensões minimamente compreendidas coincidindo e se tocando. É o amor em movimento, só isso. A embarcação cósmica é a mesma.

Quando foi que respiramos profundamente nos últimos dias, tratando de perceber nosso aparelho respiratório de forma mais carinhosa e respeitosa? Não é pretensão e arrisco dizer que a maioria não sabe nem vagamente quando fizeram isso. Não guardam recordação nenhuma e muito menos consideram importante tal atitude. Atribulados no frenesi diário não há espaço para observar a vida em si trabalhando incansavelmente e invisivelmente.

Entretanto em determinado momento uma ação qualquer pode trazer para perto de todos indistintamente, uma lembrança mais ou menos intensa. Por vezes nem é necessário algo especial e sim apenas um pouco mais de silêncio. Cores, sons, cheiros e os sentidos trabalham para tentar reconstruir o teatro da vida em tempos passados e nesses palcos quase nunca estamos sós.

E não estamos mesmo.

Quando então esta presença é sentida vem a saudade com todas as gravações da alma, sejam boas ou ruins. É quando então um filtro é ativado, depurando as experiências que as acompanham.

Essas experiências são sementes com um único fim. Crescer. De uma maneira ou de outra deixaremos de ser crianças espirituais.

E sempre a consciência - suprema líder - é que nos manterá em paz...ou não.

Interessante que este quadro não escolhe quem atingir. Não se importa se acredita em algo ou não. É um fator natural e tudo que desta mãe nasce traz uma inteligência no mínimo intrigante. Daquelas que faz o mais cético ao menos silenciar.

Quem acredita trabalha mais com sensações. Tem nelas uma companhia salutar. Percebe presenças sutis a manifestarem-se de mil formas diferentes. É uma harmoniosa ligação com quem não está momentaneamente lado a lado fisicamente, mas que de alguma forma continua presente no embalo cósmico dos tempos.

A saudade tem esta característica. Faz perceber que estamos invisivelmente presente na vida de alguém assim como estão na nossa. É uma relação da qual pode-se até negar existir, mas tente então silenciar por alguns momentos, e perceber sua respiração, aquela mesma que citei lá no início.

Obrigado.

É que tinha alguém com saudade querendo lhe dar um beijo.


Você poderá gostar também

0 comentários

Comunidade no Facebook

Unalome no Google Plus