Grandes Nomes da Fotografia - Ernst Haas

26.11.17


O fotógrafo austro-americano, nascido em Viena no dia 2 de março de 1921, foi um dos pioneiros nas fotografias coloridas. Sua importância no mundo fotográfico é difícil de ser mensurada, uma vez que Hass suplantou a barreira entre fotojornalismo e o uso da fotografia como meio de expressão e criatividade.

Sendo um inovador nato, conseguiu fazer com que suas obras fossem estampadas em capas de revistas como Life e Vogue. Atuou como presidente da cooperativa Magnum Photos – provavelmente a mais respeitada do mundo. Haas já dela fazia parte desde 1949, tendo sido convidado por nada mais nada menos que Robert Capa.

Ao se mudar para os Estados Unidos em 1951, começou a experimentar o filme a cores Kodachrome (marca registrada pela Kodak a partir de 1935). Tornou-se referência da fotografia colorida na década de 1950. Tanto que em 1953, a Life publicou seu ensaio de fotos mostrando a cidade de Nova York, com 24 páginas em cores. Em 1962, o Museu de Arte Moderna da cidade montou uma exposição individual de fotografia em cores (a primeira deste tipo), numa retrospectiva do seu trabalho.


E também é de sua autoria, um dos livros de fotografia mais vendidos, The Creation (1971), com mais de 350 mil cópias comercializadas. Hass também fez trabalhos fotografando ao redor do globo e com isso produziu além do livro já citado, In America (1975), In Germany (1976), e Himalayan Pilgrimage (1978).

"Um poeta lírico que buscava um equivalente fotográfico do desenho gestual, utilizando efeitos fotográficos como a suavidade do foco, a profundidade de campo seletiva e a superexposição ao efeito revelador".

AD Coleman – Crítico de Fotografia

Para encerrar este pequeno artigo sobre este gigante da fotografia, vamos a um fato curioso. Em 1946, Haas adquire a sua primeira câmara, uma Rolleifelx negociada no mercado negro a troco de 10 Kg de margarina. Sobre isso, teria dito mais tarde:

“Eu nunca quis realmente ser um fotógrafo. Começou lentamente a sair do compromisso de um menino que desejava combinar dois objetivos: o explorador ou o pintor. Eu queria viajar, ver e experimentar. Qual seria a melhor profissão do que a de um fotógrafo, quase um pintor com pressa, sobrecarregado por muitas impressões em constante mudança? Mas todas as minhas influências inspiradoras vieram muito mais de todas as artes do que de revistas fotográficas ".

Ernst Haas




Você poderá gostar também

0 comentários

Comunidade no Facebook

Unalome no Google Plus