A Pequena – e cara – Notável

1.8.17


A secular marca alemã Leica, fundada em 1913, construiu ao longo dos tempos, uma associação muito forte com a fotografia de rua, ainda mais quando a partir da metade do século XX, foi a preferida de um dos maiores nomes da fotografia mundial, o francês Henri Cartier-Bresson.


O uso militar dos equipamentos da marca, também auxiliou na difusão da sua capacidade de operação. Pelas mãos de Robert Capa, o húngaro considerado um dos maiores fotógrafos de guerra da história - que fez sua fama com uma Leica 35 mm nas mãos - a mítica máquina conquistou ainda mais admiração.

Logicamente, não foi somente por conta destas parcerias que a pequena máquina fotográfica se tornou famosa. O equipamento realmente tem uma qualidade superior, e sua durabilidade a faz corriqueiramente ser item de colecionador, atingindo preços inacreditáveis.

Um leilão realizado na cidade de Viena, Áustria, organizado pela galeria Westlicht, registrou um recorde mundial ao ver arrematada por mais de dois milhões de euros, uma Leica de 1923, com filme de 35 mm.

A Leica Null-Serie, também conhecida no meio como Série Zero, é uma das 25 unidades que foram produzidas para testes no ano citado. Destas, apenas 12 ainda restariam no planeta.

Mas se você não é um colecionador, vamos nos ater a falar dos modelos mais “mundanos” da marca. Por exemplo, a Leica Edition Hermès (Sim, o nome é daquela loja famosa de artigos de luxo em Paris), teve 300 unidades produzidas ao preço de 25 mil dólares cada, enquanto a modelo Limitee Jean-Louis Dumas, com suas 100 unidades, saem por 50 mil dólares cada. Mas essa última vem acompanhada de três lentes no conjunto hehehe. Sem graça essa brincadeira né?

Caixa dos sonhos de qualquer fotógrafo. Exemplar da Série Limitee Jean-Louis Dumas.
Bom, mas há sim possibilidades para quem deseja ter a lendária máquina na mão. A modelo M Monochrom sai na faixa dos 8 mil dólares. O detalhe deste modelo, fica por conta do seu sensor monocromático dedicado, significando que somente fotografa em preto e branco, numa incrível definição nas duas clássicas cores, diga-se de passagem.

Vamos parar por aqui, mas não antes sem dizer que há sim outros modelos, com menores preços, alguns inclusive produzidos em parceria com outras marcas. A Panasonic é uma delas. Tudo isso numa tentativa de fazer os amantes da fotografia a tirarem o escorpião do bolso.

Foi só mais uma brincadeirinha, para descontrair com quem não tem como ostentar a bolinha vermelha, símbolo da marca, ao sair fotografando por aí.  Mas sonhar não custa nada. Eu estou na fila rs.


Você poderá gostar também

0 comentários

Comunidade no Facebook

Unalome no Google Plus