Giz e um coração

2.5.17


A inevitável liberdade incomoda apenas aos pobres de espírito, ainda presos dentro de seus antigos conceitos.

Quando amarras do passado vão sendo desfeitas no íntimo de cada um de nós, o horizonte vai tomando um contorno mais próximo do que idealizamos em nossos sonhos de um mundo melhor. Faz aflorar uma capacidade já existente em nosso ser, que é a de caminhar para um futuro mais agregador, mas não menos combativo.

Engana-se quem acredita que apenas com flores verá a espinha dorsal do atraso, quebrada e definitivamente vencida.

Na minha dificuldade em saber quando é que se colocava "n" ou "m" antes de "p" ou "b", foi que começou silenciosamente a estruturar-se para mim, o que é este desafio de ensinar aos outros. O desafio de educar um semelhante.

No caso, um pequeno e privilegiado aluno em uma boa escola particular da capital. Recordo-me bem que perdi o sono atormentado pela dita regra, talvez já sinalizando minha pouca simpatia pelas mesmas.

Com carinho imenso recordo-me da professora Tâmara, conversando com minha mãe e rindo da preocupação existente. Desde então uma dose de carinho e rapidinho estava identificado com a regra, pronto a seguir minha vida de pré-alfabetizado.

Amor é algo além do que nos faz aquietar. Em alguns casos, pelo contrário, ele movimenta. Cutuca. E é por isso que nunca mais me saiu da mente este singelo momento. Ficou em minha consciência.

A capacidade de pegar pelas mãos e empreender junto os primeiros contornos no mundo, é tarefa para graduados em planos muitos superiores aos que temos em nossa precária sociedade.

Pais e professores. Cada qual com suas responsabilidades. Nem mais. Nem menos.

Já se passaram muitos anos. Não mais tenho a dificuldade na específica regra. Tenho agora outras tantas e confesso que me sinto mais criança que na época.

Mesmo assim em universidade alcancei diploma. Bons espíritos se dispuseram a dividir um pouco comigo daquilo que conheciam.

Digo conheciam porque hoje conhecem mais. Essa fórmula rica que multiplica os espaços quanto mais entra conteúdo, é imperativo de uma sociedade mais humana e livre.

Educadores têm isso. Construtores têm isso.

Com um giz e coração constroem novos caminhos, mas só até a tropa de choque chegar. E com esta cena lá na consciência a perguntar de que lado vamos nos posicionar.

Paz.


Você poderá gostar também

0 comentários

Comunidade no Facebook

Unalome no Google Plus