Desconstruir para reconstruir melhor

29.3.17


Esta mais do que na hora de construir não "pontes para o futuro", como andam dizendo em dialéticas mambembes, aqueles cujas mentes estão corroídas em suas bases morais, mas sim, portais do agora.

Existem pontos para estruturas muito além no invisível. Todas trazem em seus projetos, a renovação.

Estas estruturas movimentam-se no teatro da vida, sendo percebidas com maior clareza por aqueles que batalham no agora, no tempo presente.

Pessoas que respeitam o passado e vislumbram um futuro de todos. Mas sabem que é o hoje que determina ambos.

Estes guerreiros vão à luta, proporcionando condições para as alterações necessárias, pois não suportam deixar que "engenheiros do atraso e da inferioridade" coordenem projetos sombrios, custeando vidas de irmãos em troca de contas em paraísos fiscais.

O que poderia ser mais didático do que uma apresentação feita pelos próprios "eleitos", atestando a incapacidade para qualquer avanço coletivo, se depender daquele circo de horrores?

As novas gerações estão mais preparadas para encarar os temas empoeirados pelos interesses (ou falta deles) e pela covardia.

Na falta de novos ângulos do pensar, uma fração da sociedade entorpece seus sentidos com ridículos bonecos infláveis na ilustração de ignóbeis revoluções.

Vacinados contra ilusões, o brilho destes novos cidadãos ocupa escolas na defesa de seus direitos e de tantos outros, sem se ocupar de esperar o básico do material chegar.

A essência de alta vibração eles já têm e muito.

Abraçam valores acima do que esta falida sociedade preza. Colocam o progresso coletivo no ponto mais alto.

Na maioria, esses jovens vivem a desconstrução dia-a-dia. Pois presenciam da forma mais sensível, sentindo na carne inúmeras consequências da miséria humana.

Mas nem isso impede que continuem a sorrir e a encontrarem força para um olho no olho com o senhor soldado, o senhor governador, o senhor quem quer que seja.

Ao irem tomando o espaço público e chamando o coletivo para avançar junto com eles, desconstroem o abuso de leis ultrapassadas, o atraso do ensino, o caos do transporte, o caos da saúde, o muro social, o muro da hipocrisia e o universo das desigualdades, para dizer que há sim como recomeçar.

Ao olharem algumas estruturas construídas em frágeis bases, decidem objetivamente que o melhor é desconstruir tudo para reconstruir melhor.

Paz.

"Diante da noite, não acuse as trevas. Aprenda a fazer luz." André Luiz

Você poderá gostar também

0 comentários

Comunidade no Facebook

Unalome no Google Plus